política

BrasilNotíciaspolítica

Voto pela isenção para carne foi unânime entre deputados pernambucanos

A isenção total dos impostos sobre proteínas animais, como carnes bovinas e de aves, foi aprovada pela Câmara no projeto que regulamenta a reforma tributária. Foram 477 votos a favor, três contrários e duas abstenções. Apesar das divergências, o governo finalizou a votação apoiando a inclusão das proteínas na lista de alimentos isentos de impostos.

Entre os deputados pernambucanos, o voto pela isenção para carne foi unânime. Confira:

Waldemar Oliveira (Avante-PE) – votou sim
Iza Arruda (MDB-PE) – votou sim
Renildo Calheiros (PCdoB-PE) – votou sim
André Ferreira (PL-PE) – votou sim
Coronel Meira (PL-PE) – votou sim
Fernando Rodolfo (PL-PE) – votou sim
Pastor Eurico (PL-PE) – votou sim
Eduardo da Fonte (PP-PE) – votou sim
Fernando Monteiro (PP-PE) – votou sim
Lula da Fonte (PP-PE) – votou sim
Michele Collins (PP-PE) – votou sim
Eriberto Medeiros (PSB-PE) – votou sim
Felipe Carreras (PSB-PE) – votou sim
Guilherme Uchoa (PSB-PE) – votou sim
Lucas Ramos (PSB-PE) – votou sim
Pedro Campos (PSB-PE) – votou sim
Carlos Veras (PT-PE) – votou sim
Clodoaldo Magalhães (PV-PE) – votou sim
Túlio Gadêlha (Rede-PE) – votou sim
Augusto Coutinho (Republican-PE) – votou sim
Ossesio Silva (Republican-PE) – votou sim
Maria Arraes (Solidaried-PE) – votou sim
Fernando Coelho (União-PE) – votou sim
Mendonça Filho (União-PE) – votou sim

Fonte: Blog do Magno Martins

BrasilPauta do Leitorpolítica

Lei Eleitoral prevê proibições para candidatos

Faltam três meses para o primeiro turno das eleições municipais, marcadas para 6 de outubro. O período, iniciado no último sábado (6), é um marco no calendário eleitoral, trazendo uma gama de restrições a serem cumpridas pelos pré-candidatos, previstas majoritariamente na Lei nº 9.504/1997, e a requer atenção especial daqueles que ocupam cargos públicos. As proibições são válidas até a conclusão do pleito, que pode ir a segundo turno (previsto para 27 de outubro) em cidades com mais de 200 mil eleitores.

Inaugurações e publicidade

A partir de agora, os pré-candidatos estão impossibilitados de participar da inauguração de obras públicas. Ainda, é vedada a contratação de shows com dinheiro público para a divulgação de serviços institucionais e inaugurações. Também fica proibida a veiculação de propagandas institucionais através de televisão, rádio e internet – o que motivou a paralisação das operações das redes sociais da Prefeitura do Recife na última quinta-feira, por exemplo – podendo acontecer somente em casos de urgência, sob autorização da Justiça Eleitoral.

Canais de informação oficiais também não podem conter nomes, logomarcas, símbolos, imagens ou slogans, entre outros elementos, que identifiquem autoridades, governos ou administrações que ocupem cargos disputados nas eleições daquele ano. A legislação também veda a nomeação, contratação e demissão por justa causa de servidores públicos, salvo os cargos comissionados e casos de urgência para o pleno funcionamento dos serviços essenciais à população.

Repasse de verbas

Fica proibida a transferência voluntária de verbas do Governo Federal aos estados e municípios, com exceção de matérias de urgência ou de calamidade pública, e quando há um compromisso formal, anterior ao início das restrições, com a execução de obras já em andamento.

Fonte: Blog do Magno Martins