Projeto de Lei pode obrigar Prefeitura de Salgueiro a informar existência de emenda parlamentar nas obras ou serviços realizados

Na pauta da Sessão Ordinária da Câmara de Vereadores de Salgueiro esta quarta-feira, (18) consta um Projeto de Lei de autoria de Léo Parente que obriga a prefeitura a informar se obra ou serviço foi realizado com emenda parlamentar. O vereador propôs que publicações referentes a essas ações contenham o número da emenda e o nome ‘Emenda Parlamentar’.

Inicialmente o vereador também pedia que o nome do autor da emenda fosse divulgado, mas alterou o projeto em atendimento ao princípio da impessoalidade. Assim, espera que o PL seja aprovado na Casa Epitácio Alencar nesta quarta-feira.

A iniciativa para criação do Projeto de Lei se deu após uma polêmica. No fim do mês de julho a Prefeitura de Salgueiro divulgou o término da pavimentação da Rua Esperança sem especificar que a obra havia sido realizada com Emenda do Deputado Federal Fernando Rodolfo. Segundo o vereador autor do projeto, a Prefeitura havia solicitado que a Emenda, enviada na gestão municipal anterior, fosse destravada apenas para “pegar carona” na conquista do calçamento.

 A justificativa para criação é garantir o cumprimento dos princípios administrativos e objetivar a garantia do amplo acesso à informação acerca de emendas parlamentares no município de Salgueiro.

Salgueiro inicia vacinação contra Covid em adolescentes de 12 a 17 anos com comorbidade

Inicia hoje (18), em Salgueiro, a vacinação de adolescentes de 12 a 17 anos contra a Covid-19. Inicialmente serão contemplados quem tem comorbidades, portadores de deficiência, gestantes, puérperas e lactantes. Por enquanto, apenas a vacina da Pfizer tem a autorização da Anvisa para imunizar este público.

Nesta quarta-feira a imunização desse novo grupo acontece exclusivamente na sede da Secretaria Municipal de Saúde, localizada na Avenida Aurora de Carvalho Rosa, no Centro. Amanhã se estenderá para as Unidades Básicas de Saúde (UBSs) dos bairros e distritos.

São exigidos os seguintes documentos: laudo que comprove participação no grupo prioritário, CPF ou Cartão do SUS, documento oficial com foto e comprovante de residência.

Hemope tem estoques em nível crítico e convoca doadores

A Fundação de Hematologia e Hemoterapia de Pernambuco (Hemope) continua enfrentando problemas de desabastecimento nos estoques de sangue. Nesta terça (17), o Governo do Estado anunciou que todos os tipos sanguíneos possuem nível crítico nas reservas da fundação. O Hemope vem apresentando quadro similar há meses, situação que foi agravada pela pandemia da Covid-19, mas agora o comprometimento dos níveis seguros de sangue aconteceu de forma geral.

Quem pode doar e onde doar

Quem está em boas condições de saúde e tem entre 16 e 69 anos, neste último caso, desde que a primeira doação tenha sido feita até os 60 anos. É preciso pesar, no mínimo, mais de 50kg, estar descansado (ter dormido pelo menos seis horas nas últimas 24 horas), alimentado e apresentar documento original, com foto, emitido por órgão oficial (Carteira de Identidade, Cartão de Identidade de Profissional Liberal, Carteira de Trabalho e Previdência Social). Menores de 18 anos precisam estar acompanhados dos pais ou responsáveis legais e ambos devem estar munidos de documento com foto.

Para quem faz uso de medicamentos de uso continuado como ansiolíticos e depressivos podem impedir a doação por três meses até o término do tratamento. O tempo de inaptidão varia de acordo com a vida média da droga, sendo no mínimo de 14 dias. Para aqueles que fizeram tatuagem recentemente, é preciso esperar 12 meses após o procedimento para poder doar sangue novamente. Também é possível doar sangue no período menstrual.

Em Salgueiro, o Hemope fica localizado na Rua Joaquim Gondim, 65, e funciona de segunda a sexta, das 8h às 12h.

Talibã assume governo do Afeganistão; entenda o conflito

A última semana tem sido de intensos conflitos no Afeganistão. Em maio deste ano, o governo dos Estados Unidos anunciou a retirada das tropas restantes no país asiático. Com a movimentação, o grupo extremista Talibã iniciou uma série de ataques a diversas províncias do país, capturando todo o território afegão. Neste domingo, 15, a capital Cabul foi tomada pelo grupo.

Contando apenas o conflito mais recente, iniciado em 2001, a Guerra do Afeganistão durou duas décadas. As origens do conflito e o surgimento do Talibã, porém, remontam 40 anos atrás.

O Talibã

O Talibã é um grupo fundamentalista que atua no Afeganistão desde os anos 1990. Com uma visão extremista da religião islâmica, a agremiação atua tanto de forma política quanto militar.

O Talibã que começou como um grupo de estudos do islã, com cerca de outros 50 estudantes, decidiu criar uma organização que militasse pelo endurecimento das leis no Afeganistão segundo uma interpretação extremista da Sharia, código de conduta islâmico. Com amplo apelo em escolas religiosas do Afeganistão e do Paquistão, em 1995 o Talibã já tinha cerca de 15 mil membros.

Entre os posicionamentos de Mohammed Omar, um dos fundadores, estavam a oposição tanto à invasão soviética, que trouxe costumes ocidentalizados ao Afeganistão, quanto às milícias que governavam partes do país após o fim da Guerra Afegã-Soviética. À época, diversas facções de mujahidins disputavam o vácuo de poder deixado pelos soviéticos, em uma guerra civil que durou de 1992 a 1996. Na visão do Talibã, os conflitos geravam sofrimento ao povo afegão, e aconteciam porque a população não seguia as interpretações mais rígidas da Sharia.

Entre 1996 e 2001, o Talibã foi o governo de fato do país, com o nome de Emirado Islâmico do Afeganistão. Após duas décadas de conflitos, entre a invasão soviética e a guerra civil, todavia, a região estava destruída, e acesso a itens básicos como água potável, comida e eletricidade dependiam de ajuda humanitária. Com uma política de desconfiança em relação a não-muçulmanos, o Talibã dificultou ou impediu ações de organismos internacionais no país.

Durante seu governo, o Talibã firmou parceria com a organização terrorista Al-Qaeda. O grupo criado por Osama Bin Laden teve grande integração com as forças de segurança do Afeganistão no período, auxiliando o governo do Talibã a manter a autoridade no país mesmo com o colapso social.

Retomada do Afeganistão

Após o ataque da Al-Qaeda às Torres Gêmeas, em 2001, o governo dos Estados Unidos, em conjunto com outros países, invadiu o Afeganistão, dando início à chamada “Guerra ao Terror”. A ofensiva foi intensa e, em cerca de dois meses, o governo do Talibã havia sido deposto.

Ao longo das duas décadas seguintes, tropas estadunidenses se mantiveram na região. Apesar de ter gasto mais de 1,5 trilhão de dólares nestes conflitos, sendo mais de US$ 1 trilhão somente no Afeganistão, o governo dos Estados Unidos nunca conseguiu remover totalmente a influência do Talibã no país.

Até 2014, as tropas estadunidenses estavam envolvidas diretamente em combates com remanescentes do Talibã no Afeganistão. Em outubro daquele ano, porém, o papel do exército dos Estados Unidos se tornou de treinamento e apoio logístico às forças armadas do Afeganistão, reunidas em 2011.

A partir de então, o Talibã passou a se reorganizar para não apenas reagir em combate contra as tropas estadunidenses, voltando a usar táticas políticas e militares para se reerguer. Em fevereiro de 2020, já com controle territorial significativo no país, o Talibã e o governo dos Estados Unidos assinaram um acordo de paz que previa o fim da ocupação estrangeira no país.

No começo de agosto, havia apenas cerca de 650 soldados dos Estados Unidos no Afeganistão. Conforme o Talibã capturava mais regiões do país, o exército afegão permaneceu com apenas dois pelotões, ambos na capital Cabul. Com pouca resistência, o Talibã aumentou a intensidade e a agressividade das ações, chegando a Cabul nesse domingo.

O presidente do Afeganistão, Ashraf Ghani, fugiu do país algumas horas antes das tropas do Talibã avançarem sobre Cabul. O grupo, que chegou aos limites da cidade na manhã de domingo (horário local), afirmou que não tomaria a capital antes de negociar uma transição pacífica do poder.

Com a fuga de Ghani, porém, o Talibã decidiu entrar na cidade. Em comunicado, o grupo afirmou que a mudança de posição aconteceu para “evitar o caos e os saques”, uma vez que a polícia local abandonou os postos.

Na incursão, as tropas do Talibã capturaram prisões em Cabul e na cidade vizinha de Bagram, libertando milhares de prisioneiros. Entre os libertos, há membros do Daesh e da Al-Qaeda. Na noite de domingo, o Talibã chegou ao palácio presidencial, e declarou a retomada do governo deposto em 2001.

Morre Duda Mendonça, ‘guru’ da campanha eleitoral de Lula em 2002

Figura disputada entre políticos, o marqueteiro Duda Mendonça, que morreu aos 77 anos, teve uma carreira marcada por grandes trabalhos em eleições no Brasil. A morte de Duda foi confirmada pela família nesta segunda-feira (16). Ele estava internado em São Paulo, no Hospital Sírio Libanês.

O ex-marqueteiro do Partido dos Trabalhadores (PT) estava hospitalizado para tratar um câncer no cérebro e fazia quimioterapia. Em junho, ele foi diagnosticado com a Covid-19, teve o quadro de saúde agravado e precisou ser intubado.

Entre as campanhas que liderou, se destacam a de Paulo Maluf à Prefeitura de São Paulo em 1992, e a de Luiz Inácio Lula da Silva para a presidência em 2002. Na Europa, Duda também ajudou a eleger o ex-primeiro-ministro lusitano Pedro Santana Lopes.

José Eduardo Cavalcanti de Mendonça, o Duda, nasceu em 10 de agosto de 1944, em Salvador. A trajetória profissional de quase 50 anos começou a ganhar forma ainda em 1975, quando ele criou a agência DM9 Propaganda.