Empresa que faria a festa de formatura da turma de Medicina em Serra Talhada vai a falência; prejuízo de mais de R$ 1 milhão

Estudantes de faculdades viram o sonho da formatura virar prejuízo. Nessa segunda-feira (27), um grupo foi à Delegacia do Consumidor, no Centro do Recife, denunciar a Meta Formaturas por não cumprir os contratos firmados, nem reembolsar os alunos. Segundo os formandos, o prejuízo é de mais de R$ 1 milhão e ao menos 38 turmas foram prejudicadas.

Os representantes das comissões de formatura relataram que souberam, através de uma postagem nas redes sociais, publicada na sexta-feira (25), que a empresa havia decretado falência. Algumas das turmas tinham iniciado os pagamentos em 2017.

As turmas afetadas são de diversos cursos e diferentes faculdades do estado localizadas no Recife e também no interior, como a de medicina da Universidade de Pernambuco (UPE) de Serra Talhada. Entre os reclamantes, há formandos de 2019, antes da pandemia, que alegam não ter recebido o acordado com a empresa.

O prédio em que funcionava a Meta Formaturas passou a abrigar uma clínica. A assessoria jurídica da empresa alegou que os dois empreendimentos não têm relação, mas os formandos dizem que seriam dos mesmos donos.

Em nota, a assessoria jurídica da Meta informou que a pandemia fez com que a empresa interrompesse as atividades por um longo período, o que gerou dificuldades financeiras. “Tivemos que lidar com demissões em massa de colaboradores, atrasos para fornecedores e de pagamento de tributos, entre outras questões”, disse no texto.

Ainda de acordo a nota, eles afirmaram não ter recursos para suprir a realização de atividades e que pretendem “promover o ressarcimento dos valores recebidos esfera judicial cível”. A empresa afirmou ter encerrado as atividades na sexta-feira (25), depois de 22 anos e mais de 5 mil formaturas realizadas. A Delegacia do Consumidor informou que abriu um inquérito para investigar o caso.

Mais de 5 meses após anúncio, Crédito Popular ainda não chegou nas mãos dos salgueirenses

Passados 172 dias desde a divulgação do programa “Crédito Popular”, anunciado no dia 04 de abril pelo prefeito Marcones Sá e aprovado por unanimidade na câmara, o crédito ainda não chegou nas mãos dos empreendedores salgueirenses. A lista de 250 beneficiários foi divulgada no dia 22 de julho, mas até agora ninguém recebeu o empréstimo.

Inconformado e sem entender o porquê da morosidade, um beneficiário entrou em contato com o Pauta de Hoje, sugerindo o conteúdo desta matéria. O programa visa beneficiar empreendedores individuais, formais ou informais e pessoas vinculadas ao CadÚnico com a concessão de crédito de até R$ 3 mil e carência de três meses para começar a pagar parcelas em 12x com juros de 0,90% ao mês e quitação da última parcela pela prefeitura para os adimplentes.

Mais de 2 mil pessoas se inscreveram para receber o crédito e 500 foram selecionadas para a fase de entrevistas. Destas, 250 ficaram aptas a ter acesso ao dinheiro. O governo municipal informou que iria contatar todos os beneficiários por telefone, o que ainda não aconteceu.

Agência do trabalho de Salgueiro está com nove vagas abertas para quatro funções

A Agência do Trabalho de Salgueiro está com nove vagas de emprego abertas nesta terça-feira (28). As oportunidades são para as funções de Caldeireiro Serralheiro, Mecânico, Pizzaiolo e Soldador.

São 4 vagas para Mecânico, com experiência e Ensino Médio completo. Salário de R$ 1.200, mais assistência médica, assistência odontológica e seguro de vida; 2 vagas para Soldador, com experiência e Ensino Médio. Empresa oferece salário de R$ 1.300 mais assistência médica, odontológica e seguro de vida; 2 vagas para Caldeireiro, exigindo experiência e Ensino Fundamental completo. Salário de R$ 1.400 e os mesmos benefícios; e 1 vaga para Pizzaiolo, com experiência e Fundamental incompleto. Empresa paga o salário base da função.

A Agência do Trabalho fica localizada no Salgueiro Shopping e o atendimento ocorre apenas com agendamento prévio, feito tanto pelo site da secretaria, quanto pelo Portal Cidadão.

Autarquia Educacional de Salgueiro abre seleção para estagiários

Foi publicado nesta terça-feira (28) o Edital 004/2021 da Autarquia Educacional de Salgueiro (AEDS) abrindo inscrições com objetivo de selecionar 80 estudantes da Faculdade de Ciências Humanas do Sertão Central – FACHUSC para estagiarem na Secretaria Municipal de Educação. As vagas são para alunos dos cursos de Licenciatura e Bacharelado da instituição vinculada à prefeitura.

As inscrições iniciam hoje e devem ser feitas até o dia 1 de outubro pelo e-mail selecaoestagioaeds@gmail.com. O estudante precisa estar regularmente matriculado e com as mensalidades em dia, ter índice de rendimento acadêmico igual ou superior a 7,0, ter concluído pelo menos o 3ᵒ período do curso, entre outros requisitos.

Os 80 estagiários serão selecionados por uma Banca Examinadora formada pela presidência da AEDS. O resultado do processo seletivo vai ser divulgado no site da Fachusc no dia 11 de outubro.

Verdejante inicia aplicação da dose de reforço em idosos acima de 70 anos

A Secretaria Municipal de Saúde de Verdejante iniciou nesta segunda-feira (27/09), a aplicação da dose de reforço contra a covid-19 em pessoas com idades acima de 70 anos.

Para receber a terceira dose, é necessário ter por completo o esquema vacinal há, pelo menos, seis meses. Os imunossuprimidos com esquema completo de imunização há, no mínimo, 6 meses também devem tomar a terceira dose.

Quem for tomar essa nova dose deve levar, no dia escolhido, o documento de identificação, além de um comprovante de que já completou o ciclo vacinal, para agilizar o atendimento.

“Seguindo a orientação do Ministério da Saúde e da Secretaria Estadual de Saúde, a Secretaria de Saúde de Verdejante informa que a dose de reforço será aplicada, preferencialmente, com o imunizante da Pfizer, independentemente da vacina aplicada na primeira e segunda doses”, esclareceu o município.

A combinação das vacinas é recomendada pelo ministério, após estudos, aprovados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), comprovarem que a resposta imunológica contra a Covid-19 não é comprometida por essa prática.