PF combate crimes de moeda falsa em Serra Talhada e Moreilândia

Na última quarta-feira (12), a Polícia Federal recebeu e lavrou um flagrante do crime de moeda falsa. Um jovem de 18 anos de idade, natural de Serra Talhada/PE, foi preso.

O caso teve início quando um comerciante da cidade de Serra Talhada acionou a Polícia Militar para informar ter recebido uma nota falsa no valor de R$100. O suspeito foi detido pela população no local até a chegada da polícia, que apreendeu a nota e conduziu o homem até a Polícia Federal.

Já nesta quinta-feira (13), na cidade de Moreilândia/PE, outro homem foi preso quando pegava uma encomenda postal nos correios contendo cédulas falsas. Os policiais federais receberam uma denúncia de possível conteúdo duvidoso no envelope, e se dirigiram ao local, onde constataram que o suspeito havia encomendado 10 cédulas falsas de R$100,00, totalizando R$1.000,00 em cédulas falsas. Ele também foi conduzido para a Delegacia de Polícia Federal em Salgueiro.

Os dois homens, respectivamente, foram autuados em flagrante delito pelo crime de moeda falsa, contido no art. 289, inc. I, do Código Penal.

MPF abre processo seletivo unificado de estagiários de Direito; há vagas em Salgueiro

Quatro unidades do Ministério Público Federal (MPF) em Pernambuco (PE) realizarão processo seletivo unificado para estagiários da área de Direito. De acordo com o Edital nº 01/2022, os estudantes poderão estagiar em Caruaru, Garanhuns, Salgueiro e Serra Talhada. A bolsa de estágio é de R$ 976, além de auxílio-transporte de R$ 11 por dia de atividade. A jornada é de 20 horas por semana.

Para a inscrição, o candidato deverá estar matriculado em uma das instituições de ensino conveniadas e ter concluído, no momento da contratação, os requisitos do item VIII do edital, onde também é possível conferir detalhes sobre a documentação necessária para inscrição.

Os interessados devem preencher a ficha de pré-inscrição, para a unidade em que deseja estagiar, disponibilizada em neste link, entre 14 e 28 de janeiro de 2022. O processo seletivo ocorrerá em ambiente virtual e de forma presencial, em data e horário a serem divulgados no endereço http://www.mpf.mp.br/pe/estagie-conosco.

Confira a íntegra do edital.

Salgueiro Shopping ganha ponto de vacinação contra a Covid-19

A prefeitura de Salgueiro divulgou que, a partir desta sexta-feira (14), será disponibilizado um novo ponto de vacinação contra a Covid-19. O novo polo de atendimento passa a funcionar na unidade do Salgueiro Shopping. A medida prevê a oferta de horários mais flexíveis de imunização para atender ao público que não pode comparecer em horário comercial.

Com o novo ponto de vacinação, o serviço acontece nesta sexta (14), das 17h às 21h. No sábado (15), das 09 às 13h. E a partir da próxima semana, a imunização será realizada regularmente, de segunda a sexta, das 09h às 12h e das 17h às 21h.

Mãe de Beatriz diz que identificação de suspeito por DNA é ‘incontestável’, mas que motivação do crime ‘não convence’

A mãe da menina Beatriz Angélica, Lucinha Mota, disse que acredita que o suspeito identificado por meio de exames de DNA seja, de fato, o homem que matou a facadas a garota, em 2015, dentro de uma escola em Petrolina. No entanto, segundo ela, a motivação apontada pela Secretaria de Defesa Social (SDS) “não convence”.

A prova científica do DNA é importante. Tem uma relevância muito grande, isso é ciência, não se contesta. O máximo que se faz é repetir para ter opiniões de outros especialistas”, disse.

As declarações foram dadas logo após uma coletiva feita pela SDS, no Recife, para detalhar a identificação do suspeito como sendo Marcelo da Silva, de 40 anos, já preso por outros crimes. A secretaria disse que ele confessou ter entrado na escola para pedir dinheiro e matado a menina depois que ela se desesperou ao ver a faca que ele portava.

O pai de Beatriz e marido de Lucinha, Sandro Romilton, era professor de inglês no Colégio Nossa Senhora Auxiliadora, onde ocorreu o crime. Segundo a mãe da menina, a escola era bastante rígida e, durante os 14 anos em que frequentou o local, como mãe de uma aluna e esposa de um funcionário, sempre precisou se identificar.

Ela disse, ainda, que durante festividades, a escola só permitia a entrada de pessoas que estavam autorizadas em convites. Isso, segundo ela, faz com que seja difícil acreditar na versão dada pela SDS, de que o assassino de Beatriz conseguiu entrar na escola com pouca dificuldade. No dia do crime ocorria no colégio uma formatura, sendo uma das alunas a irmã da vítima.

A SDS informou, ainda, que os indícios apontam que Marcelo agiu sozinho e não teve a ajuda de outras pessoas. Lucinha Mota, por sua vez, acredita que pode haver um mandante e que possíveis problemas da escola em que a menina morreu podem ter a ver com a motivação do crime.

Lucinha disse, também, ter tido acesso a vídeos em que o suspeito aparece com o que seria um telefone.

“Ele chega, ele esconde a faca, ele recebe uma ligação ou uma mensagem, ele bota o telefone próximo à orelha dele, como se estivesse recebendo uma ligação. Ele vai no canteiro, pega a faca, bota no pé e parte em direção ao colégio. Pelo amor de Deus, não precisa ser nenhum expert para entender que, ali, alguém avisou a ele. O quê? O momento certo de entrar? Essas coisas que precisam ser identificadas”, questionou.

Filho de 2 anos de delegado morre engasgado com tampa de garrafa pet

Um menino de 2 anos, filho do delegado da Polícia Civil do Amapá Carlos Alberto Gomes Pereira Filho, morreu engasgado com uma tampa de garrafa pet, em Macapá, na última sexta-feira (7). O pai se pronunciou sobre o caso pela primeira vez na terça-feira (11), por meio de uma carta de esclarecimento enviada à imprensa.

No documento, ele responde às criticas que recebeu, proferidas especialmente pelas redes sociais e pela família materna da criança.

O delegado ressalta que fez tudo o que estava ao seu alcance para salvar o filho. Ele também afirma sofrer com as acusações de negligência sobre a morte da criança. Os dois estavam sozinhos no momento do acidente.

“Eu fiz de tudo para salvar a vida do meu filho. Quando ele engoliu a tampinha, estava próximo de mim, e o fez no momento em que eu estava organizando as coisas pós-almoço. Não houve falta de cuidado, ele estava sendo monitorado”, disse o pai.

Carlos Alberto afirmou que organizava a casa quando percebeu que o filho ficou em silêncio e que a criança não estava se mexendo. “Assustado e sozinho, tentei identificar o que estava ocorrendo, mas, no momento de desespero, não consegui entender ou detectar o motivo. A reação que consegui ter naquele momento foi checar os sinais vitais, que estavam presentes”, relatou.

Ele disse que levou a criança à unidade de saúde mais próxima. “Lá chegando, o médico imediatamente o atendeu. A equipe médica optou por chamar o Samu, que chegou após aproximadamente 30 minutos, o que aumentou ainda mais a minha angústia, já que não sabia o que estava acontecendo com o meu filho. Após a sua chegada, a equipe do Samu rapidamente identificou o problema e retirou uma tampinha de garrafa pet das vias aéreas do meu filho. Infelizmente, ele já não apresentava mais sinais vitais”, escreveu.

Na carta, ele explica que não compareceu ao velório e ao enterro do filho em razão das ameaças que estava sofrendo e para não gerar desconforto maior com sua presença no local. Carlos Alberto também esclareceu que demorou para se pronunciar devido ao desgaste mental com toda a situação.